Dia Nacional do Café

Dia Nacional do Café é celebrado em** 24 de maio no Brasil**. Esta data homenageia uma das mais deliciosas paixões nacionais: o café!

O Dia Nacional do Café é comemorado entre os brasileiros desde 2005, quando foi incluído no Calendário de Eventos do Brasil por iniciativa da Associação Brasileira da Indústria de Café – ABIC. No Brasil, o Dia do Café relembra o início das grandes plantações cafeeiras no país, responsáveis por representar um importante período histórico para o desenvolvimento da economia e sociedade brasileira. De acordo com dados da ABIC, aproximadamente 9 em cada 10 brasileiros com mais de 15 anos consomem café. Seja ele carioca, cappuchino, expresso ou americano… O café é sem dúvidas um “queridinho” no país.

EM MINAS GERAIS

Se Minas fosse um país, seria o maior produtor mundial de café. Uma em cada cinco xícaras de café consumidas no mundo sai de Minas Gerais. O grão é cultivado em 607 dos 853 municípios do Estado, sendo a principal atividade econômica em 340.  Mais de quatro milhões de mineiros dependem, direta ou indiretamente, da cafeicultura para seu sustento, o que mostra sua importância não apenas econômica, mas também social.

Dados gerais (Safra 2017/18):

  • Produção mundial – 168 milhões
  • Produção Brasil = 61,7 milhões sacas
    (37,1% a mais que safra anterior)
  • Produção MG = 33,4 milhões de sacas
    (36,5% a mais)
  • A produtividade mineira em 2018 foi de 33,08 sacas por hectare
    (incremento de 32,7%)

Representatividade
MG responde por 54% do total produzido no Brasil.
O estado produz 20% de todo o café do mundo.

PIB
PIB do café em MG foi de R$ 12,1 bilhões (8,4 café em grão e 3,7 indústria do café), representando 6,3% do PIB do Agronegócio de Minas Gerais.


Exportação

Em 2018, Minas exportou 83,5% dos cafés produzidos, predominantemente café verde cru. Movimentou naquele ano cerca de US$ 3,5 bilhões com negociações internacionais.

Principais mercados: Alemanha (20,9%), EUA (17,7%) e Itália (12,3%).

Regiões Produtoras Minas

A produção de café em Minas Gerais apresenta características distintas nas cinco regiões produtoras: Sul, Mantiqueira, Matas, Cerrado e Chapada.

Clima, topografia e variedades tornam o produto diferenciado em cada um desses lugares.

O café mineiro é 99% do tipo arábica, que confere alto grau de qualidade à bebida, reconhecida por seu sabor, aroma e acidez. É o mais usado nos blends especiais.

CERRADO MINEIRO

 

A cafeicultura teve início, em 1972, no Alto Paranaíba e Triângulo. A região possui a primeira indicação de procedência e demarcação de origem de cafés do Brasil.

A topografia plana favorece lavouras extensas e a mecanização. As floradas são intensas, e a maturação uniforme dos grãos facilita a colheita concentrada.

O clima quente e úmido no verão e ameno e seco no inverno proporciona cafés de alta qualidade.

  • Características: Aroma intenso, com notas variando de caramelo a nozes. Acidez delicadamente cítrica, similar à laranja, corpo moderado a encorpado, sabor adocicado e achocolatado e finalização de longa duração.
  • Altitudes: 800 a 1.300 metros.
  • Participação: 20% da produção mineira.
  • Municípios produtores: 55
  • Principais municípios produtores: Aimorés, Araguari, Araxá, Coromandel, Indianópolis, Monte Carmelo, Patrocínio (o maior produtor brasileiro) e São Gotardo.
  • Área média de produção: 190 mil hectares.

 

 

CHAPADA DE MINAS

 

Compreende os vales do Jequitinhonha, no norte do estado, e do Mucuri, no nordeste. Como a região é uma das mais carentes do estado, a cafeicultura tem grande importância econômica e social.

Como a topografia é plana, a colheita pode ser mecânica. O período de seca é longo e forte, o que exige o uso da irrigação. Assim, as lavouras são altamente produtivas e seus grãos resultam em excelente bebida.

  • Características: Encorpado, com bom aroma, baixa acidez e predomínio de nuances de chocolate e nozes.
  • Altitude: 700 a 1.300 metros.
  • Participação: 5% da produção mineira.
  • Munícipios produtores: 22
  • Principais munícipios produtores: Angelândia, Água Boa, Capelinha, Caraí, Itaipé e Novo Cruzeiro.
  • Área média de produção: 27 mil

MANTIQUEIRA DE MINAS

A região fica no lado mineiro da Serra da Mantiqueira. Tem relevo montanhoso e condições climáticas propícias para cafés especiais.

Foi reconhecida com Indicação Geográfica. Tem reputação mundial na produção de bebidas com um perfil sensorial altamente diferenciado. É uma das mais premiadas do Brasil.

Seus cafés são raros e refletem a combinação do terroir único com o conhecimento local, que busca excelência continuamente.

  • Características: Aroma característico com notas de laranja-lima. Corpo cremoso e denso, com sabor variando levemente de caramelo a laranja. Acidez brilhante e cítrica, apresenta finalização doce, com leve toque de mel.
  • Altitudes: 900 a 1.400 metros, relevo montanhoso.
  • Participação: 50% (junto com o Sul de Minas) da produção mineira.
  • Municípios produtores: 25
  • Principais municípios produtores: Carmo De Minas, Cristina, Jesuânia, Lambari, Paraisópolis, Pedralva, Santa Rita do Sapucaí e São Gonçalo do Sapucaí.
  • Área média de produção: 70 mil hectares.

 

MATAS DE MINAS

No leste do estado, a região fica em área de Mata Atlântica.

Temperaturas amenas, incidência de radiação solar nas áreas de maior altitude e estação chuvosa definida favorecem a produção de cafés de qualidade superior.

O cultivo predominante é o manual, desde o plantio até a colheita. É forte na agricultura familiar.

  • Características: Aroma intenso, com notas florais e cítricas. Acidez delicada e equilibrada. Sabor adocicado, com diversidade variando entre caramelo, chocolate e cítrico. De encorpado a muito encorpado e finalização agradável e prolongada.
  • Altitudes: 600 a 1.200 metros, relevo montanhoso.
  • Participação: 25% da produção mineira.
  • Municípios produtores: 63
  • Principais municípios produtores: Caratinga, Ervália, Espera Feliz, Inhapim, Manhuaçu, Manhumirim, Matipó, Santa Rita de Minas e Viçosa.
  • Área média de produção: 279 mil hectares.

 

SUL DE MINAS

As plantações começaram na região na década de 1850. Muitas cidades surgiram a partir das grandes fazendas.

É a principal e mais tradicional região de café do estado. Caracteriza-se por pequenas propriedades, com lavouras de 12 hectares, em média. É responsável por 50% do café produzido em Minas Gerais.

As áreas montanhosas dividem espaço com terrenos de desníveis mais suaves, onde a mecanização é muito utilizada.

  • Características: Adocicado e encorpado, com presença de chocolate e da acidez cítrica do limão siciliano. Também pode apresentar aroma floral.
  • Altitudes: 950 metros, relevo montanhoso.
  • Participação: 50% (com a região da Mantiqueira de Minas) da produção mineira.
  • Municípios produtores: 155
  • Principais municípios produtores: Alfenas, Andradas, Fama, Guaxupé, Itajubá, Muzambinho, Paraguaçu, Passos, Pouso Alegre, Santa Rita do Sapucaí, São Sebastião do Paraíso, Três Corações, Três Pontas e Varginha.
  • Área média de produção: 437 mil hectares.

 

O CAFÉ ESPECIAL

O conceito de cafés especiais está intimamente ligado ao prazer proporcionado pela bebida.

Diferencia-se por características como qualidade superior da bebida, aspectos dos grãos, forma de colheita, tipo de secagem, preparo, origem dos plantios, variedades raras e quantidades limitadas.

Mudanças no processo industrial também levam à diferenciação, com adição de substâncias, como os aromatizados, ou com subtração delas, como os descafeinados.

A rastreabilidade e a incorporação de serviços são outros fatores de diferenciação e, portanto, de agregação de valor.

SEGREDOS DO CAFÉ

 

  • SABOR DO CAFÉ: Depende da variedade plantada, a região, a altitude e a forma de secagem. Os sabores dos melhores cafés permanecem na boca por minutos.

  • TORRA DO CAFÉ: O ponto de torra é essencial para definição do sabor. Quanto mais escura, mais forte será a bebida. A mais clara deixa o café mais suave. Os de torra média remetem a chocolate.

  • MOAGEM DO CAFÉ: O nível de moagem também influencia o sabor. Quanto mais fina for, mais amargo será o café. A fina dificulta a filtragem no coador e a bebida esfria mais rapidamente. Já a mais grossa deixa o café mais fraco e exige mais pó.

  • PREPARO DO CAFÉ:

ü    Usar somente água filtrada.

ü    Não deixar a água ferver (ideal até 90°C).

ü    Na garrafa térmica o café fica agradável por, no máximo, 30 minutos.

ü    Adoçar o café somente na hora de consumir.

ü    Depois de aberto o pacote, coloque em recipiente com tampa e guarde na geladeira.

Curiosidades sobre o café

  • Quando consumido com moderação, o café pode ser um importante aliado para aumentar os níveis de concentração;
  • O café é a segunda bebida mais consumida no mundo (em primeiro lugar está a água);
  • A cafeína (nas doses certas) ajuda a evitar a depressão e o mau humor;
  • A borra de café pode ser usada como adubo para plantas;
  • Acredita-se que o café surgiu por volta do século IX, na Etiópia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *